Associadas ao Sincabima participam da IBA 2018

Carob House e Ninfa estiveram em Munique para conferir as novidades do setor de alimentos

Ocorreu nos dias 19 e 20 de setembro em Munique, na Alemanha, a IBA 2018 – Feira Internacional de Máquinas e Tecnologias para Panificação e Confeitaria. Considerada a mais importante do mercado de panificação, a feira acontece a cada três anos e concentra os principais lançamentos e inovações do setor.

Neste ano, duas associadas ao Sincabima marcaram presença no evento. A Carob House e a Ninfa estiveram em Munique para conferir as novidades do setor. “Embora os italianos ainda sejam maioria na produção de máquinas de panificação, e os alemães na confeitaria, pudemos notar um aumento considerável de fabricantes e fornecedores na feira. Também observamos um crescimento significativo no interesse por produtos veganos e naturais, tanto por parte dos expositores quanto por parte do público. Esses ingredientes nos chamaram a atenção e pretendemos avançar com as negociações”, diz Eloísa Orlandi, diretora-executiva da Carob House.

Sincabima e Senai promovem treinamento

Sincabima e Senai promovem treinamento para profissionais do setor alimentício

O Sincabima – Sindicato das Indústrias de Cacau e Balas, Massas Alimentícias e Biscoitos de Doces e Conservas Alimentícias do Paraná –, em parceria com o Senai, promove o treinamento Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC). Com o objetivo de apresentar o sistema de APPCC para os profissionais da área de alimentação, o treinamento também abordará tópicos como análise de perigo e medidas preventivas, procedimentos de implementação e monitoramento, ações corretivas, identificação de pontos críticos de controle e auditoria do sistema.

O treinamento ocorre nos dias 26 e 27 de setembro, no Senai de Arapongas, e tem investimento de R$700 (estudantes, associados ao Sincabima ou a outros sindicatos patronais têm 50% de desconto). O cadastramento deverá ser feito até o dia 18 de setembro, e os interessados deverão enviar um e-mail para consultoria@sincabima.org.br ou para sincabima@sincabima.org.br solicitando a ficha de inscrição.

Serviço:

Treinamento – Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC)

Data: 26 e 27 de setembro (quarta e quinta-feira)

Horário: das 8h30 às 18h

Local: Senai – Rua Guaratinga, n°2247 – Parque Industrial – Arapongas

Valor: R$ 700,00 por pessoa (estudantes, associados ao Sincabima ou a outros sindicatos patronais têm 50% de desconto).

*Material didático e coffe break já estão incluídos no valor.

Jovens aceitam alimentos com menos açúcar, sódio e gordura

Grupo de pesquisadoras da Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ) demonstrou que jovens de escolas de ensino médio e cursos profissionalizantes do estado do Rio de Janeiro aceitam teores menores de açúcar, gordura e sódio (um dos componentes do sal) em, respectivamente, néctar de uva, batata palito e pão francês. O interessante é que os jovens aprovaram esses alimentos mesmo percebendo a diminuição da presença desses ingredientes.

Leia a matéria na íntegra aqui.

Mais um apelo à reforma tributária

*Por Leonardo Sperb de Paola

Independentemente de quem seja o eleito, o novo presidente tem um encontro marcado com a reforma tributária. E é inadiável. O “sistema” tributário brasileiro encontra-se em frangalhos. Ele é complexo, confuso, injusto, regressivo, ineficiente, caro e leva à distorção das atividades produtivas. Não há mais remendos que o reparem. É preciso substituir o caos reinante por algo completamente novo. E o que seria?

Especialistas em finanças públicas e tributação convergem quanto à necessidade de, no lugar dos diversos tributos sobre o consumo existente no Brasil (ICMS, IPI, PIS, COFINS, ISS e CIDE), criar-se um Imposto sobre Bens e Serviços – IBS, que é uma modalidade de imposto sobre o valor agregado, similar ao adotado na União Européia. Esse imposto teria sua arrecadação distribuída entre União, Estados e Municípios. Não se trataria, bem entendido de imposto único, pois continuariam existindo, ao lado dele, tributos sobre patrimônio e renda, além de contribuições previdenciárias sobre a folha.

Os benefícios dessa unificação, para os contribuintes e para o próprio fisco, seriam vários:

  1. Simplicidade. Ao invés do atual emaranhado de leis federais, estaduais e municipais relativas aos atuais tributos sobre o consumo, haveria um só diploma legal. De uma multidão, passar-se-ia a um único referencial legislativo, ressalvadas apenas algumas poucas questões que remanesceriam na esfera de competência de Estados e Municípios, como a escolha de alíquotas aplicáveis a determinados bens e serviços.
  2. Não cumulatividade. O IBS adotaria o sistema amplo de não cumulatividade, com total aproveitamento de créditos. Com isso, acabariam as inúmeras controvérsias e litígios acerca do que gera e do que não gera crédito.
  3. Fim da guerra fiscal. Os estados brasileiros criam facilidades para atrair empresas de fora e, inversamente, dificuldades para repelir mercadorias também de fora. É como se, para fins tributários, houvesse fronteiras nacionais entre eles. Isso é a guerra fiscal, que tanto beneficia como prejudica contribuintes e fisco. Ela deixaria de existir a partir do momento em que a competência dos Estados para outorgar favores e impor restrições desaparecesse ou, pelo menos, ficasse bem delimitada.
  4. Diminuição da quantidade de obrigações acessórias. Se no futebol o Brasil não tem ganho de títulos recentes, em matéria de obrigações acessórias (declarações, guias e etc) ele está na primeira posição há muitos anos: nenhum país impõe tantos deveres de conformidade como o nosso, tal como mostram os relatórios anualmente divulgados pelo Banco Mundial. E os grandes responsáveis por isso são os tributos sobre o consumo, especialmente o ICMS e suas 27 legislações.
  5. Racionalidade econômica. Tudo isso eliminaria distorções que contaminam o processo de tomada de decisões empresariais: localização de novas plantas, criação de filiais, aquisição de insumos e etc.

E quanto à carga tributária? O ideal, é claro, seria que, com a unificação, houvesse sua efetiva queda. Mas, quanto a isso, não devemos nos iludir: tal redução está condicionada, sob pena de se gerar um caos financeiro, ao paralelo enxugamento da máquina pública e ao reequilíbrio de despesas obrigatórias.

Por tudo isso, avança no Congresso Nacional a construção de um Projeto de Emenda Constitucional – PEC – criando o IBS, para a qual vêm contribuindo entidades como o Centro de Cidadania Fiscal. Mas as dificuldades a serem superadas são imensas. Há resistências de Estados e Municípios que não querem abrir mão do poder de outorgar favores e criar dificuldades. Para vencê-las, é preciso um esforço concentrado por parte das empresas e das entidades que as representam, como o SINCABIMA.

*Leonardo Sperb de Paola é advogado do Sincabima, sócio do De Paola & Panasolo e doutor em Direito.

A pipoca mais amada do Paraná

No mês de agosto, a Pipoteca completou 40 anos de história. Celebrada na sede da empresa, a festa contou com distribuição de salgadinhos para o público presente, bem como atividades para as crianças.

Criada em 1978, a empresa ganhou o nome de Pipoteca em homenagem as famosas discotecas daquela década. Inicialmente conhecida pela fabricação de pipocas doces, a Pipoteca logo inovou e diversificou sua linha de produção com outros produtos como pipocas salgadas, caramujos doces, salgadinhos de milho e bacon, entre outros, totalizando uma gama de 25 produtos próprios.

Conhecida e amada por todo cidadão paranaense, a marca é associada ao Sincabima há 12 anos. De acordo com Alcione dos Santos, sócio e diretor comercial da empresa, a parceria só traz benefícios. “Estar associado ao Sincabima fortalece as empresas do setor e estimula a inovação e melhorias, afinal é um ambiente de muita troca entre os associados”, diz.

A fábrica da Pipoteca fica no bairro Fanny e funciona de segunda a sexta-feira, das 07h às 18h, e sábado das 07h às 12h.

Crédito: Reprodução

Bob´s e Barion juntos na redução do uso do canudo plástico

Crédito: Reprodução

Em busca por um mundo mais sustentável, a rede nacional de fast food Bob’s e a tradicional marca paranaense de biscoitos doces, Barion, acabam de oficializar uma parceria de dar água na boca. O famoso Tubetes Barion ganhou uma nova versão, o Tubetes Shake, um canudo comestível feito com waffer e chocolate, e já está disponível em todas as lojas do Bob’s da cidade do Rio de Janeiro. A implantação nas demais lojas do país será iniciada na sequência, de acordo com a rede de lanchonetes.

Lançado como alternativa ao canudo plástico, o Tubetes Shake da Barion é um canudo comestível feito de waffer e chocolate e foi pensado para ser usado em bebidas geladas ou em temperatura ambiente. Seu tamanho se assemelha ao de um canudo plástico e, diferente do que algumas pessoas podem pensar, ele não derrete em contato com o líquido.